Um projeto Teamway

A apresentar mensagens correspondentes à consulta leite ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens
A apresentar mensagens correspondentes à consulta leite ordenadas por relevância. Ordenar por data Mostrar todas as mensagens

sábado, 16 de março de 2013

SAÚDE: Leite: Super Alimento?!



A importância do leite na nossa alimentação vem sendo discutida por diversos especialistas de algum tempo para cá. Inclusive nas crianças, parece haver cada vez mais pediatras a procurar alternativas.

beber leite de vaca
Em Janeiro deste ano a Direcção-Geral de Saúde recomendou a inclusão deste alimento na nossa alimentação diária. No entanto, o Partido pelos Animais e pela Natureza vem contestar esta indicação, pedindo esclarecimentos à DGS.

Deixamos aqui o comunicado, onde estão incluídas as razões principais porque devemos evitar o Leite.
Se bebem leite, leiam e reconsiderem...


Comunicado


"Leite: Super Almiento?!
PAN exige esclarecimentos à DGS

No passado dia 03 de Janeiro a Direcção-Geral de Saúde (DGS) emitiu um comunicado onde sugere as 10 medidas alimentares a adoptar pela população em 2013.

Uma das decisões alimentares a adoptar em 2013, recomendada pela DGS, é o estimulo de consumo de leite e lacticínios:

“Inclua leite e lacticínios nas pequenas refeições ao longo do dia. Apenas um copo de leite possui cerca de 28 % do cálcio necessário por dia para um adulto, 24 % da Vitamina D, 22% do fósforo...ou seja, o leite é um super alimento de baixo custo e facilmente disponível de manhã ou em qualquer hora do dia.”

O Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN), numa carta dirigida ao Dr. Francisco George (Secretário de Estado da DGS), discorda veemente desta informação veiculada pela DGS que contém enormes erros nutricionais cientificamente comprovados. O simples facto de definir o leite como um super alimento (!), revela uma total desactualização e ignorância em relação aos estudos que têm vindo a ser publicados de forma regular e consistente nas últimas duas décadas.

Esses mesmos estudos revelam que o cálcio do leite de vaca é basicamente inútil. O leite tem conteúdo insuficiente de magnésio (11% do que seria necessário para a mesma quantidade de cálcio). Ao contrário do senso comum e daquilo que é normalmente informado, o consumo de leite, ao invés de prevenir, ocasiona descalcificação e osteoporose, pois pode levar à deficiência de magnésio, além de acidificar o sangue, fazendo com que o corpo retire cálcio dos ossos, aumentando a sua perda. As nações com mais alto nível de consumo de leite e de lacticínios também têm o maior nível de osteoporose.

O cálcio que o nosso organismo necessita encontra-se bio-disponível nos alimentos de origem vegetal, pelo que praticando uma alimentação correcta e equilibrada estes aportam o referido mineral da forma correcta e sem consequências. Não nos querendo alongar, a sintetização de vitamina D e o exercício físico são outros dois factores complementares.

O leite de vaca é um fluido insalubre, que contém uma gama ampla de substâncias inconvenientes. O seu consumo prolongado tem um efeito cumulativo prejudicial. Para além do mito do aporte de cálcio, o consumo de leite poderá estar, segundo vários estudos, na origem de algumas doenças, nomeadamente:

- O consumo de leite nos primeiros anos de vida, após o período de lactância, aumenta as hipóteses de desenvolvimento de Diabetes do tipo 1;

- Os lacticínios aumentam a libertação de insulina pelo pâncreas, o que pode causar resistência à insulina, que pode levar à diabetes, hipertensão, obesidade abdominal, síndrome do ovário policístico, cancro de mama, acne, entre outros problemas;

- Estudos associam o consumo de leite ao surgimento de cancro dos ovários, testículos e próstata, Doença de Parkinson e Doença das Artérias Coronárias;

- O consumo de leite piora os sintomas da Artrite Reumatóide;

- Existe uma correlação muito forte entre o consumo de leite e a prevalência de Esclerose Múltipla;

- O leite neutraliza o meio ácido intestinal, necessário para a absorção de vitaminas e minerais, além de favorecer a fermentação de microrganismos patogénicos;

- O consumo de lacticínios leva a um aumento de substâncias inflamatórias e de pequenas calcificações;

- O leite é um alimento congestionante e leva ao aumento da produção de muco no organismo;

- As vacas leiteiras são mantidas constantemente grávidas, por isso o leite tem quantidades muito grandes de estrógeno e progesterona, podendo levar, por exemplo, à puberdade precoce;

Sem prejuízo do atrás exposto, a produção de leite tem ainda um elevado impacto ambiental, sendo esta indústria extraordinariamente cruel para os animais que o produzem.

Centenas de milhões de euros são investidos todo o ano pela Indústria de Lacticínios e pelos processadores de leite em todo o mundo, a que Portugal não é excepção, para assegurar que as pessoas bebam e consumam lacticínios. Invariavelmente, a publicidade dos produtos lácteos envolve sempre imagens que remetem para um conceito saudável, e/ou ambientes naturais idílicos, e/ou vacas leiteiras que sorriem ou vivem felizes. Tudo para adormecer e lavar as nossas consciências perpetuando o consumo destes não-alimentos.

(...)

Por último, sugerimos uma breve lista com algumas publicações que comprovam os malefícios do consumo do leite e lacticínios:

- “Devil in the Milk: Illness, Health and the Politics of A1 and A2 Milk”, de Keith Woodford
- “Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases”, Relatório Técnico nº 916, OMS e FAO
- “Don't Drink Your Milk! New Frightening Medical Facts About the World's Most Overrated Nutrient”, de Frank A. Oski MD
- “Dr. Spock’s Baby and Child Care”, de B. Spock e R. Needlman
- “Dr. Neal Barnard’s Program for Reversing Diabetes: The Scientifically Proven System for Reversing Diabetes Without Drugs”, de Neal Barnard
- “Food Allergy: Adverse Reactions to Food and Food Additives”, de D. D. Metcalfe e Hugh Sampson
- Galactolatria: mau deleite, de Sônia T. Felipe
- “Hold the Cheese Please! A Story for Children About Lactose Intolerance”, de Frank J. Sileo
- “Leite: alimento ou veneno”, de Robert Cohen
- “Mad Cows and Milk Gate”, de Virgil M. Hulse"



terça-feira, 10 de dezembro de 2013

ALIMENTAÇÃO: Venenos Brancos

Será que estamos a comer veneno?




Encontrámos este artigo na Revista Sábado. Achámos tão interessante que resolvelmos partilhar no Vitamina-te:


"Fazem parte da dieta de qualquer pessoa, mas na verdade deviam ser consumidos com precaução. Razão: estes cinco alimentos brancos têm pouco valor nutritivo e podem ser prejudiciais à saúde.

1) Sal de mesa refinado 

Pode dizer-se que é um dos maiores inimigos das doenças cardiovasculares, provocando hipertensão e a retenção de líquidos. O componente mais nocivo do sal, quando consumido em excesso, é o sódio. Sabe-se que os portugueses consomem em média o dobro da quantidade de sal aconselhada, cerca de dez gramas - quando a Organização Mundial de Saúde recomenda que não se ultrapassem os cinco gramas diários. 

2) Açúcar 

A média é assustadora: cada português ingere em média 16 pacotes de açúcar por dia (ou o equivalente a 23 colheres de chá de açúcar), segundo o Instituto Nacional de Estatística. Este alimento é considerado um dos venenos brancos porque não tem qualquer valor nutricional. Causa problemas metabólicos, nomeadamente obesidade, colesterol alto e hipertensão.

Quando consumido com moderação, o corpo armazena-o, sob a forma de glicose, dando-nos a energia que necessitamos para funcionar. O problema é que, actualmente, como o açúcar está presente numa grande quantidade de alimentos (nos cereais do pequeno-almoço, nos refrigerantes, nos bolos, nos leites com chocolate, nos iogurtes, etc.), o nosso corpo não consegue processá-lo. É então armazenado no fígado e estas reservas acabam por ser transformadas em gordura.

3) Farinha 

Quanto mais fina e branca for a farinha, pior: tem menos fibra, vitaminas e minerais. Por isso é que se costuma dizer que se deve optar pelo pão mais escuro. Na verdade, os pães mais recomendáveis são os de centeio e integrais. O consumo excessivo de farinha refinada pode provocar uma série de problemas, nomeadamente: excesso de açúcar no sangue e, consequentemente, colesterol e diabetes, complicações inflamatórias e distúrbios gastrointestinais.

4) Arroz branco

A conclusão é de um estudo feito pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos: o arroz branco provoca aumento bruscos dos níveis de glucose no sangue e, consequentemente, o risco de diabetes. Devem portanto preferir-se os grãos integrais aos grãos refinados do arroz branco.

5) Leite de vaca pasteurizado

É dos cinco o menos consensual. Alguns especialistas defendem que o cálcio presente no leite de vaca é praticamente nulo e que também tem pouco magnésio. Há também quem defenda que o processo de pasteurização do leite destrói alguns dos nutrientes essenciais, potenciando o aparecimento de problemas como asma, alergias e problemas digestivos. Aconselham por isso a sua substituição por leite vegetal, como por exemplo leite de soja."

Revista Sábado

sábado, 21 de setembro de 2013

MISS KALE: O que devem saber sobre os gelados comerciais


Quando compram um gelado, sabem realmente o que estão a comer?


 A Miss Kale explica num artigo do seu blog, que o Vitamina-te transcreve aqui: 


 tu sabes o que tens andado a comer?
Mesmo que eu estivesse bastante consciente de que os gelados comerciais estão cheios de ingredientes prejudiciais – como gorduras hidrogenadas, xarope de milho de alta frutose, leite em pó, açúcar, natas processadas, etc – eu fiquei chocada quando pesquisei sobre este tema. E posso desde já alertar-te de que, muito provavelmente, vais perder o apetite por gelados comerciais quando começares a ler os factos que estou prestes a mostrar-te.
As receitas de gelados mudaram muito ao longo das últimas décadas e mesmo que os ingredientes básicos das receitas antigas não fossem fantásticos – açúcar, leite de vaca, natas, ovos – eram bem melhores do que as fórmulas de hoje em dia. É que para além do típico leite, açúcar, natas e soro de leite, há uma lista assustadora de ingredientes que estão presentes em mais de 95% das fórmulas de gelados de modo a aumentar a validade e cremosidade.

Aqui está a lista muito “apetitosa” dos ingredientes mais comuns presentes em gelados comerciais:

BENZOATO DE SÓDIO
É um químico que não só esgota o sistema imunitário como também tem propriedades carcinogénicas. A FDA (Food and Drug Administration) afirma que não tem problema consumir quantidades pequenas mas que não pode ser, de maneira nenhuma, combinado com vitamina C ou E caso contrário serão formados benzenos (carcinogénicos) – o que significa que o benzoato de sódio não pode ser combinado com fruta, vegetais, cereais, pasta dos dentes, etc, o que é praticamente impossível.

DIETHYL GLYCOL
Químico usado na substituição de ovos e também em decapantes. Sim, tu leste bem…decapantes!

PIPERONAL
Utilizado como aroma de baunilha e também para matar piolhos. Wow, tão útil! No caso de estares de férias e apanhares piolhos, podes sempre esfregar um gelado na cabeça para te livrares deles! Esta substância está listada na base de dados da National Library of Medicine HSDB como sendo “moderadamente tóxica”. Uff, ainda bem que é “apenas” moderadamente tóxica!

ACETATO DE ETILO
Utilizado como aroma em gelados e em produtos de limpeza de peles e textéis (está diretamente relacionado com danos pulmonares, hepáticos (fígado) e coração).

ACETATO DE BENZILO
Outro aroma que é também usado em sabonetes, detergentes, incensos, óleos, vernizes e dissolventes de plásticos. “Nada” mau, huh?!

POLISORBATO 80
Usado como emulsificante em gelados e, de acordo com o Annals of Allergy, Asthma and Immunology, “o polissorbato 80 é de relevância atual como um indutor ‘escondido’ de reações anafiláticas”. Estudos toxicológicos também mostraram que este químico provoca infertilidade. Aliás, cientistas do World Intelectual Property Organization estão a desenvolver um método contracetivo que consiste numa vacina que danifica a fertilidade e um dos ingredientes presentes nessa vacina é o polissorbato 80. Que encanto! Esta substância também provoca alterações hormonais e na vagina e, também, deformidades ováricas.

BUTIRALDEÍDO
É um derivado do butano que é utilizado na produção de álcoois, plásticos e dissolventes. Têm um cheiro parecido ao da amêndoa e é usado como aroma em gelados.

PROPILENOGLICOL
Esta substância consite num líquido químico que é usado em alimentos de modo a absorver o excesso de água e manter a humidade.  Também é um dissolvente em corantes de alimentos, plásticos e tintas.

Infelizmente a lista continua e o mais chocante é que não só a FDA não exige que os fabricantes de gelados rotulem todos os ingredientes como também todos estes aditivos estão na lista da GRAS (Generally Recognize As Safe = geralmente reconhecidos como seguros) pela mesma FDA. Desconheço as razões pelas quais esta agência dá autorização para estas substâncias serem comercializadas em produtos alimentares, mas as minhas perguntas são:
Queres estes ingredientes dentro do teu corpo?
Honestamente achas que uns poucos segundos de prazer na boca valem a pena os danos a longo prazo, no teu sangue e tecidos?
Queres decapante, mata piolhos ou mesmo tinta a coexistir com as tuas células?
Há uma maneira muito melhor de disfrutar um gelado que não inclua substância tóxicas nem leite de vaca, ovos e açúcar de cana refinado – que estão cheios de gorduras “más”. Aliás, o gelado pode ser uma excelente maneira de obter gorduras saudáveis, cálcio, enzimas, vitaminas e minerais quando preparado com os ingredientes certos.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

TESTEMUNHO: Todos os nutrientes são importantes!

Todos os nutrientes são importantes

Se pensas que o título «Nutrição para totós» é ofensivo, relaxa! Não quero com este post atacar ninguém…
 
ieatcarbs
Quero apenas esclarecer alguns mitos. Não sou nutricionista, nem médica, nem cientista. E este também não é um artigo de investigação. Mas uma mentira repetida muitas vezes, torna-se  (quase) verdade e há coisas que ouço e leio com frequência que me parecem assustadoras. Algumas fruto de falta de informação ou excesso dela (desinformação, no fundo). Outras fruto de obcessões com um determinado estereotipo de beleza. Na nutrição, como em tudo na vida, o equilibrio é a chave.
Vamos então desmistificar uns quantos exageros sobre os nutrientes?

#1. Os Hidratos de Carbono são maléficos: engordam e fazem mal à saúde!

carbs
 Ora aí está uma grande mentira. Vamos lá por partes… Os Hidratos de Carbono ou Glícidos pertencem à categoria dos Macronutrientes, ao lado das Proteínas e Lípidos. E espantem-se: todos os Macronutrientes são essenciais à vida, cada um deles cumpre a sua função, sendo que os “maléficos” Hidratos de Carbono são responsáveis por nos dar energia, que loucura. Então se os Hidratos de Carbono são apontados como os culpados de todas as misérias humanas? Por uma visão simplificada da alimentação! Existem fontes de Hidratos de Carbono altamente nutritivas e saudáveis e outras mais pobres nutricionalmente. Mas o principal problema reside na forma como os alimentos são processados, confeccionados e ingeridos. Obviamente, não é a mesma coisa comer uma batata doce cozida ou um pacote de batatas fritas cheio de gordura, sal, corantes, conservantes e sabe se lá o que mais. E, no entanto, ambos os “alimentos” são fontes de hidratos de carbono. Também não é a mesma coisa comer uma taça de corn flakes (flocos de milho processados cheios de açúcar) e uma taça de flocos de aveia simples. Não são os Hidratos de Carbono que são maléficos, são os alimentos que escolhemos que não são os mais indicados!
Outra mito que  passa de boca em boca é que os Hidratos de Carbono engordam e ponto final. Vamos usar novamente do bom senso. A ingestão dos alimentos deve ser adequada às necessidades de cada pessoa e, se é certo que não somos iguais na estrutura física, também é certo que não temos todos o mesmo metabolismo. O que quer dizer que nem todos processamos os alimentos da mesma forma, logo não podemos fazer generalizações. Descubram mais sobre este tema no artigo do Instituto Macrobiótico de Portugal.
Eu como Hidratos de Carbono e não tenho medo deles. Prefiro sempre as  fontes de Hidratos de Carbono ricas também em fibras (como as leguminosas, legumes e os cereais integrais); como mais fruta de manhã, porque também é quando preciso de mais energia; evito os Hidratos de Carbono Simples (como o pão branco), porque são pobres nutricionalmente, são demasiado processados e são armazenados como açúcar e, além disso, não me saciam. E, quem me conhece, sabe que eu estou sempre com fome e como várias vezes por dia. Mas o que funciona para mim, não tem de ser regra para os outros! Antigamente, quando queria emagrecer, “cortava” nos Hidratos de Carbono, tal como a maioria das pessoas. Acontece que quando terminava a dieta e voltava ao “normal”, voltavam também os quilos perdidos. Com o passar dos anos, alterei profundamente alguns hábitos alimentares e o “normal” é saudável. Escolho os alimentos em função do valor nutricional e não do valor calórico e nunca mais fiz dietas restritivas. Fiz também um teste de ADN, através do qual descobri que para manter o peso ideal tinha de aumentar o consumo de Hidratos de Carbono! Porquê? Porque tenho uma vida agitada, tenho fome várias vezes por dia e faço muitas refeições (o que acelera o metabolismo) e, se não ingerir a quantidade de hidratos, acabo por compensar em gorduras.
i_eat_carbs

#2. Nunca se devem ingerir Hidratos de Carbono à noite

Diz o ditado «Toma um pequeno-almoço de rei, almoça como um príncipe, janta como um pobre.», mas como em tudo não há regra sem excepção. Uma vez mais, não só temos metabolismos diferentes (consoante a nossa atividade física, estilo de vida e o próprio ADN), como temos também diferentes bioritmos.
Eu, por exemplo, sempre fui notívaga. Adoro o sol, adoro passear, mas durante o dia tenho dificuldade em concentrar-me em tarefas que exijam atenção, por isso planifico, projeto, escrevo… sempre à noite. Muitas vezes até bastante tarde. Claro que não me posso alimentar ao longo do dia da mesma maneira que uma pessoa que acorda às 7h e se deita às 22h. O próprio plano que a Body Key desenhou para mim foi ajustado ao meu estilo de vida, por isso inclui hidratos de carbono ao jantar e uma pequena ceia para as noites que fico acordada até mais tarde composta por frutos secos. Tudo isto, porque tenho um metabolismo acelerado. O que me acontecia sempre que fazia dietas muito restritivas é que tinha muita fome à noite, sobretudo se comesse apenas sopa ou saladas pobres. Isto não significa que como um prato cheio de esparguete com molho e bifes todas as noites! Normalmente, cozinho legumes (que também são ricos em hidratos de carbono, lembram-se?),  às vezes acompanho com peixe (carne de aves com menos frequência) e outras com leguminosas, couscous ou arroz basmati. A batata doce, a courgete e a beringela são os alimentos que como mais como à noite. Prefiro a proteina de origem vegetal à noite por também se digerir mais facilmente. E, como é óbvio, o segredo reside no bom senso e moderação nas quantidades. Aí sim, a quantidade de comida que ingiro ao jantar é substancialmente menor do que a do almoço. Também é importante adaptarmos a nossa alimentação à carga de atividade física que fizemos durante o dia. Por isso, quando treino e sei que vou dormir tarde, faço um prato com feijão ou grão, que me mantém saciada e longe de tentações.
Refeições nutritivas
Refeições nutritivas

#3. Toda a gente precisa de ingerir proteína animal

Ouvem-se tantas versões contraditórias! Há quem faça verdadeiras odes à proteína animal. Há quem crucifique todos aqueles que comem produtos de origem animal. Há quem salte pocinhas constantemente. Eu sempre fui omnivora, porque foi assim que fui educada. Tive contato com a cozinha vegetariana apenas na adolescência. Adorava junk food: hamburguers, batatas fritas, refrigerantes, etc. Fugia deles por autêntico suplício apenas porque queria perder peso, porque não gostava da minha imagem. E, como o fazia por sacrifício, toda a comida processada me parecia deliciosa e tentadora, enquanto que os legumes, carne magra e cereais integrais que a nutricionista me mandava comer me pareciam uma obrigação. Acredito hoje que este é um dos principais motivos que tornam as «dietas» tão difíceis e tão ineficazes: fazem-se sacrifícios não se ganham novos prazeres. Eu como com mais prazer hoje uns bróculos salteados com feijão frade do que comia um hamburguer do MacDonalds! Não é frete nenhum, frete para mim, atualmente, é chegar a um restaurante e não encontrar nenhum prato que me encha as medidas – e isso acontece com frequência.
Onde é que eu ia? Ah, na ideia errada de que a proteína animal é imprescindível na nossa dieta. Existem na natureza fontes de proteína tão ou mais interessantes do que a carne e o peixe (feijão, lentilhas, grão, soja, etc). Em última análise, é uma questão de reeducação alimentar. O que sim é verdade é que muitas das pessoas que deixam de comer carne e peixe não complementam a sua alimentam com alimentos que tenham os mesmos macro e micronutrientes que encontramos na carne e no peixe. Depois ficam fracos, perdem massa muscular, têm mais fome e mais facilmente comem disparates.  Da mesma forma, o consumo excessivo de proteína animal é, como se sabe, nocivo para o nosso organismo, sobretudo a carne vermelha. Para além de não ser facilmente digerida, a forma como a carne que comemos hoje é processada é muito pouco ou nada natural…
Continuo a comer bastante peixe, como carne branca quando o meu organismo me pede (ou não tenho grande opção), como carnes vermelhas socialmente (não condiciono a vida de ninguém por minha causa, porque alterei os meus hábitos por uma questão de saúde e não por questões ideológicas), mas os legumes e leguminosas são os reis da minha rotina alimentar. O melhor? Nunca me senti tão bem, tão jovem e com energia!

#4. O leite é essencial à vida

O leite materno é o melhor alimento que um bebé pode receber para enfrentar os primeiros meses de vida. O leite de vaca tem um propósito: alimentar bezerros que têm um sistema digestivo completamente diferente do nosso e necessidades diferentes também. Porque é que sempre ouvimos dizer que os médicos aconselhavam o seu consumo diário? Supostamente por ser uma excelente fonte de Cálcio. Pois bem, há vegetais, cereias e frutos secos mais ricos em cálcio do que o leite! E a boa notícia é que são mais nutritivos, não têm gordura animal e, por tudo isto, são muito melhor digeridos pelo organismo.
Bebi leite toda a minha infância e adolescência, era a minha bebida preferida. Caia-me mal, com frequência, mas adorava. Foi preciso ter problemas digestivos severos para render-me às evidências e deixar de beber. Não compro leite há dez anos. Adoro queijos, mas opto por ter requeijão de ovelha em casa e comer queijos em ocasiões especiais. Comia muitos iogurtes (como não têm lactose, conseguia digeri-los), mas também acabei por ganhar novos hábitos e agora uso apenas iogurtes naturais para molhos e receitas especificas. A verdade é que me sinto muito melhor desde que eliminei este e outros venenos da minha alimentação. Faço batidos quase todos os dias com a Proteína Total das Plantas NUTRILITE, tomo suplemento de cálcio, magnésio e vitamina D por prevenção e o meu teste de ADN indicava um nível ótimo tanto de proteína como de cálcio.  Descobre mais sobre este tema no VITAMINA-TE.

Nos próximos artigos de bem-estar, vamos falar de outros mitos…

#5. Todos os vegetarianos são saudáveis

#6. A fruta não engorda

#7. O pão escuro é mais saudável

#8. Todos temos de beber 1,5 litros de água por dia

#9. Os suplementos alimentares são todos tanga

#10. Os feijões são maus para o intestino

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

SUPLEMENTOS: Proteína 100% vegetal.

O Vitamina-te foi ao blog ElectricVanilla "roubar" este artigo sobre a nossa Proteína:



Olá meninas, hoje venho falar de mais um produto que me tem surpreendido pela positiva deste o momento que comecei a consumi-lo. Ele dá-se pelo nome de Proteína Total das Plantas da Nutrilite e proporciona uma proteína de alta qualidade, fornecendo quantidades equilibradas dos 9 aminoácidos essenciais.
Neste momento reduzi as carnes vermelhas e tenho tentado equilibrar mais a minha alimentação em todos os aspectos, desde reforçar mais o pequeno almoço e deixar de lado as gorduras. Este suplemento, chamo-o assim porque o uso completo das minhas refeições, isso ajuda-me a ter uma alimentação mais reforçada. Noto que, com o consumo regular desta proteínas o meu organismo anda muito mais satisfeito, saudável e sinto-me muito menos cansada, especialmente na altura das aulas/entregas pois foi a altura que iniciei este ciclo.

Proteína para todos!
  • Para aqueles que não consomem carne, leite, queijo ou outros alimentos ricos em proteínas.
  • Para aqueles que pretendem controlar as calorias e gorduras na sua dieta.
  • Para crianças (com mais de 3 anos), adolescentes, idosos, grávidas e mulheres a amamentar, que precisam de mais proteínas.
  • Para aqueles que "saltam" refeições, comem porções mais pequenas ou que sentem necessidade em incluir proteína na sua dieta.
  • À base de plantas, sem colesterol e sem lactose que também é adequado para diabéticos, vegetarianos e vegans.
Muitos estão desse lado a perguntar, mas porquê proteínas?
De um modo geral o corpo de um adulto necessita de uma quantidade entre 15g e 75g de proteínas para manter os níveis de proteína equilibrados, e os bons exemplos de fontes de proteína estão presentes, nos ovos, carne, leite, lacticínios e soja. Para que haja um equilíbrio de proteínas é necessário que essa ingestão seja feita ao longo do dia em cada refeição.

Porque as devemos tomar?
O nosso corpo não armazena proteínas em excesso, e o melhor é assegurar que o nosso corpo mantém o seu bom nível repondo de forma a apoiar as suas funções vitais.

Porquê Proteína Total das Plantas da Nutrilite?
Não tem químicos e serve para o dia-a-dia.
Fornece proteína de alta qualidade, que significa que ajuda o nosso corpo a reparar, renovar e sintetizar as estruturas da proteína.
Combinado com uma dieta equilibrada e um estilo de vida saudável, este produto é uma alternativa saudável às fontes tradicionais de proteína.
Os seus ingredientes são derivados de fontes naturais como ervilhas, soja e trigo
Fornece 9 aminoácidos que ajuda a manter massa muscular e prevenir fraqueza muscular e a fadiga
O seu teor de gorduras e de colesterol é mais baixo que as porções normais de carne, queijo, ovos e leite magro.

Como podemos utilizar?
Adicione uma colher de 10g em líquidos (mexendo bem) ou então polvilhe nos cereais, sopas, saladas ou outros alimentos sem alterar o seu sabor.
Até os transformam usam. xD

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

RECEITA: O gelado super saudável da Miss Kale

Depois do artigo publicado no VITAMINA-TE sobre os gelados industriais, a Miss Kale deixa-nos uma alternatica saudável!

black-sesame-ice-cream01

Toda a gente adora comer um gelado cremoso e doce. No entanto, os gelados comerciais engordam e não são nada saudáveis. Aliás, na semana passada escrevi um artigo sobre “O que deves saber sobre os gelados comerciais” que se tornou bastante popular.

Agora, imagina comer um gelado d-e-l-i-c-i-o-s-o e cremoso e doce e “oh tão bom” sabendo que não só não engorda como também irá fornecer o teu corpo com uma série de gorduras saudáveis, minerais, proteína, vitaminas, enzimas, fitonutrientes e bons hidratos de carbono. Parece impossível, certo? Pois, errado! Existem imensas receitas de gelados saudáveis e deliciosas que têm como base frutos cremosos – como as bananas, abacates, côcos, mangas – e adoçados com adoçantes naturais – como tâmaras, açúcar de côco, stevia, geleia de arroz. Devido à sua textura cremosa e à sua doçura tu não notas diferença – em relação aos gelados convencionais – exceto o facto de que estes gelados são muito mais yummy do que os gelados comerciais que contém substâncias incríveis como decapante, mata piolhos e detergente (podes ler mais sobre isto aqui).

Existem milhares de receitas saudáveis de gelados mas a minha favorita é a do “Gelado de Sementes de Sésamo pretas” que demora 5 minutos a preparar e é mesmo uma delícia. Não te assustes com o nome e dá-lhe uma oportunidade. Garanto-te que não te vais arrepender ; )

Antes de saltarmos para a receita vamos dar uma olhada aos benefícios das sementes de sésamo:
  • Alto teor em cálcio (1 colher de sopa de sementes de sésamo contém mais cálcio do que 8 copos de leite de vaca – e sem o impacto negativo que o leite de vaca tem no corpo humano)
  • Alto teor em magnésio
  • Promove uma pele saudável e brilhante, devido à alta concentração em zinco
  • Ajuda a prevenir diabetes
  • Reduz a pressão arterial
  • Reduz o colestrol
  • Alivía a prisão de ventre
  • Ajuda a prevenir anemia
  • Previne cáries dentárias
  • Desintoxica o organismo
  • Alta teor em proteína de boa qualidade
GELADO DE SEMENTES DE SÉSAMO PRETAS com rodelas frescas de tangerina
Adaptado do blog “Tales of a Kitchen”
(3-4 pessoas)
400 ml de leite de côco (1 lata)
1/2 chávena de sementes de sésamo pretas
1 banana
1 colher de sopa de adoçante natural (eu recomendo açúcar de côco)
1/4 colher de chá de canela
Para servir: rodelas de tangerina frescas
- Coloca as sementes de sésamo numa liquidificadora e tritura até que se tenham tornado numa farinha fina.
- Adiciona os restante ingredientes à liquidificadora e tritura até estar uma mistura cremosa e suave.
- Deita a mistura num tupperware e coloca-o no congelador durante a noite ou até que esteja congelada.

Como disse no meu último artigo, os gelados podem ser uma excelente maneira de obter nutrientes essenciais  – à saúde e beleza – se forem preparados com ingredientes que vão nutrir o teu corpo em vez de prejudicá-lo.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

SAÚDE: Harvard retira laticínios da dieta saudável

Harvard retira laticínios da dieta saudável

não beber leite

 Cada vez surgem mais artigos a desmistificar a importância do leite na nossa alimentação.

Há pouco tempo o Vitamina-te divulgou uma carta do Partido pelos Animais e pela Natureza à Direcção Geral de Saúde sobre a questão do leite poder ser um mau alimento.


Agora, a Harvard School of Public Health enviou uma mensagem forte e directa ao USDA (Departamento da Agricultura dos Estados Unidos) e aos alegados especialistas do mundo inteiro com o lançamento do seu guia Healthy Eating Plate (Dieta Saudável) em resposta ao novo guia de saúde e nutricionismo da USDA que veio substituir a pirâmide dos alimentos.

Os especialistas de nutrição e investigadores de Harvard afirmam que o guia alimentar da universidade está baseado numa nutrição sã investigada ao pormenor e mais importante ainda, livre da pressão de lobbies e grupos industriais. A maior evidência disso é a total ausência de lacticínios no seu novo guia para uma dieta saudável devido ao facto de «um consumo alto destes alimentos [lacticínios] aumentar significativamente o cancro da próstata e dos ovários».

Os investigadores da Harvard referiram ainda que os altos níveis de gordura saturada na maioria dos lacticínios e os componentes químicos da sua produção os tornam um alimento a evitar devendo ser substituídos por  legumes verdes (nomeadamente couve, repolho, bróculos, etc), soja enriquecida e grãos de várias espécies para se obter o cálcio necessário e de qualidade.


Fonte: portugalmundial.com

quinta-feira, 4 de abril de 2013

RECEITA: Crepes com proteína

Bem-Estar é também sentirmo-nos bem e desfrutar dos prazeres mais simples, como comer coisas boas!

 
receita com proteina

O VITAMINA-TE partilha convosco as melhores receitas para o melhor bem-estar.
Antes de passarmos à receita em si, vamos falar um pouco da importância da proteína.

Porquê Proteínas?

  • Em geral, os adultos necessitam entre 45 g e 75 g de proteínas por dia para manterem níveis equilibrados de proteínas.
  • Bons exemplos de fontes de proteínas são a carne, o peixe, os ovos, o leite, os lacticínios e a soja.
  • As suas proteínas são de alta qualidade o que significa que podem ser utilizadas quase na totalidade pelo corpo para reparar, renovar e sintetizar as estruturas da proteína.
  • O equilíbrio de proteínas é mantido mais eficazmente, se a ingestão for feita ao longo do dia com cada refeição: pequeno-almoço, almoço e jantar.

E agora a receita:

Crepes com Proteína em Pó

Ingredientes
  • 1 ovo
  • colheres de NUTRILITE™ Proteína Total das Plantas
  • 110 ml de leite (desnatado ou gordo)
  • 1 noz de manteiga
Modo de Preparação
Numa taça bata um ovo com 2 colheres de proteína e o leite até obter uma consistência suave sem grumos. Coloque a manteiga num pedaço de rolo de cozinha, formando uma espécie de pano.
Aqueça uma caçarola anti-aderente (com cerca de 10 centímetros de diâmetro) em lume médio-alto e quando estiver quente, unte levemente com a manteiga que está no pedaço de papel. Coloque uma pequena concha de manteiga no centro da caçarola e, segurando na pega da caçarola, remova--a do calor e gire a caçarola de forma a que a manteiga cubra a base. Volte a colocar a caçarola no lume durante cerca de 40 segundos.
Com uma espátula que não seja de metal, vá libertando o crepe e volte-o, cozinhe o crepe durante cerca de 20 a 30 segundos e depois despeje-o no prato. Com a massa restante faça mais 5 crepes, empilhe-os no mesmo prato e sirva.
Dose: dá para 6 crepes pequenos (cerca de 10 cm de diâmetro) ou 3 crepes grandes (cerca de 17 cm de diâmetro).
Podem servir o crepe ao vosso gosto com geleia, marmelada, mel, pasta de chocolate com avelãs, natas azedas, queijo de barrar, fruta, etc.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

MISS KALE: Uma deliciosa receita de Batido de Verão


O Vitamina-te hoje foi ao site da Miss Kale, roubar este delicioso post!



"Os dias quentes de verão despertam o apetite para comidas frescas, leves e hidratantes. As altas temperaturas e o nível de sudação são mais elevados, tornando-se assim necessário consumir alimentos que compensem esse calor e desidratação. Logo, saladas frescas, sumos, batidos e frutas tornam-se numa prioridade natural que trazem cor ao nosso prato e muitos minerais, vitaminas, fitonutrientes e enzimas ao nosso corpo.
A Natureza fornece-nos os alimentos que necessitamos, em cada estação, para estarmos fortes e saudáveis. Nas estações frias, oferece-nos alimentos densos e quentes (como as batatas, abóboras, beterrabas) e nas estações quentes alimentos frescos e ligeiros (como por exemplo, morangos, pêssegos, melância), e desde que respeitemos e sigamos as leis da Natureza, estaremos a habitar um corpo saudável, enérgico e jovem até aos últimos dias.
Desde que respeitemos e sigamos as leis da Natureza, estaremos a habitar um corpo saudável, enérgico e jovem
Uma maneira rápida de refrescar e nutrir o teu corpo logo ao acordar é tomando um batido. Apenas tens que juntar os ingredientes todos numa liquidificadora, misturar tudo e beber. É algo fácil, delicioso e que, com os ingredientes certos, te deixará saciada e com energia.
Um erro muito comum que eu vejo as pessoas cometerem na hora de preparar um batido, é fazerem muitas misturas (como por exemplo, fruta, sementes, frutos secos, aveia, superalimentos). As pessoas acham que quanto mais ingredientes juntarem, melhor. No entanto, não é bem assim. Quanto maior o número de ingredientes, numa única refeição, mais difícil se torna a sua digestão e mais fácil se torna de fermentarem na tua barriguinha, acabando por não usufruíres do seu potencial nutritivo e, ainda por cima, criarem gases! O segredo está em comer poucos ingredientes de cada vez e não fazer grandes misturas.
Este batido tem sido um dos meus preferidos deste verão. É delicioso, fresco, saciante e nutritivo – rico em vitamina C, manganês, fibra, vitamina B6, potássio, proteína, magnésio e gordura (de boa qualidade).
BATIDO DE BANANA + MORANGOS + MANTEIGA DE AMÊNDOA
2 bananas maduras descascadas
1 mão cheia de morangos
1 colher de sopa de manteiga de amêndoa
Leite de arroz e côco q.b. (ou outro tipo de leite vegetal, excepto soja)"
Texto: Miss Kale


quinta-feira, 8 de maio de 2014

RECEITA: Pão de Banana e Morangos

Clean Eating por Alejandra Soulfit

Achamos que fazer pão é algo de outro mundo! Que requer habilidade e prática na cozinha, por isso, acabamos por nos render à padaria da esquina para comprar o pão do dia a dia. Definitivamente um dos alimentos mais polêmicos no tema dos alimentos saudáveis. Há culturas que não podem viver sem ele (Aí Portugueses!!), não conseguem começar o dia sem o pão. A verdade é que o pão comum, não é saudável. Falarei sobre as farinhas refinadas e o seu impacto nos alimentos noutra altura, o pão é: farinha e às vezes açúcar! Duplo impacto! 

Uma das melhores maneiras é faze-lo em casa, assim temos a certeza dos ingredientes e o resultado final. Hoje tenho para vocês uma bomba doce de banana e morangos, perfeito para o pequeno-almoço, lanche da tarde antes do treino ou como sobremesa. Boa, fácil e rápida!



Ingredientes: 

1 1/2 xícara de farinha de aveia (se não tiver farinha, processar os flocos de aveia até obter a farinha) 
1/2 xícara de farinha de grão de bico 
2 ovos 
3 bananas maduras (quanto mais madura, mais doce) 
3 colheres de sopa de mel 
1/3 xícara de açúcar mascavado natural ou rapadura 
1 saqueta de stevia natural
1 colher de chá de essência de baunilha 
1/3 de leite de amêndoa sem adição de açúcar 
5 morangos ou quanto baste
Amêndoas picadas 
Sementes de sésamo e chia 
1/2 colher de chá de fermento em pó




Preparação: 

Misture as farinhas com o fermento em pó, açúcar mascavado e stevia. Adicione os ovos e o leite de amêndoa. Acrescentar as bananas esmagando-as com um garfo, os morangos picados, mel e as amêndoas. Misturar bem, deixando pedaços de bananas para um sabor mais apurado. Passar um bocado de azeite pela forma para evitar que a mistura se pegue. 
Despeje a mistura, adicione as sementes no topo e leve-a ao forno a 160 º C por 55 minutos (verifique que está cozido no ponto desejado). Deixe-o arrefecer e desfrute!



ESPALHE SAÚDE!

SENTIRES-TE BEM É NATURAL!